Indústria

A Bahiamido possui um processo de produção industrial moderno, composto por uma estrutura com as melhores soluções em equipamentos para o processamento da mandioca, um completo laboratório de análises, visando otimização e excelência dos processos.

A Unidade industrial é operada através de sistemas de automação, controles e câmaras que garantem um acompanhamento em tempo real de todas as etapas do processo, influenciando o rendimento e eficiência industrial.

 

Processo Industrial

1. Recepção da mandioca (análise e pesagem): No processamento de recepção acontece a pesagem das cargas de raízes de mandioca.

2. Descarga da mandioca: Através do tombador (plataforma metálica) é efetuada a descarga das raízes contidas nos caminhões.

3. Armazenamento da mandioca: As raízes são descarregadas na cancha de armazenamento pelo sistema de transporte de raízes.

4. Lavagem: As raízes de mandioca são conduzidas para o lavador, equipamento que possibilita a lavagem e o descascamento das raízes simultaneamente. No processo é retirada somente a pele (casca marrom), evitando perdas de amido.

5. Correia de Inspeção: Durante a passagem da mandioca pela correia, há a verificação visual de impurezas e a retirada manual destas.

6. Picagem: A mandioca é picada e conduzida por elevador à um depósito (dosadora), que possibilitará a distribuição uniforme para cevadeira.

7. Moagem: A moagem da mandioca é realizada por um cilindro rotativo de aço inoxidável, a cevadeira. Na parte inferior da cevadeira, há uma peneira que impede que os pedaços sejam transportados para fora do equipamento sem que antes sejam totalmente raspados.

8. Extração: Tem como finalidade separar o amido das fibras de mandioca.

9. Refino: Busca separar as fibras finas e retirada de polpa.

10. Purificação: O amido em suspensão, também chamado “leite refinado”, obtido após a extração, é purificado com a adição de água e centrifugado para a retirada de partículas estranhas.

11. Concentração: O “leite purificado” segue para a concentração, com a finalidade de concentrar o amido. Nessa Etapa, o amido é concentrado e limpo.

A partir deste momento, as linhas de processo se diferenciam:

 

FÉCULA

1. Secagem: A secagem é realizada em um secador tipo relâmpago (Flash Dryer).

2. Armazenamento em Silo: Após a secagem o Amido de Mandioca é estocado temporariamente em um silo, que consiste em um cilindro que armazena o produto final antes que este seja ensacado, através de uma válvula rotativa que descarrega o produto para o interior da tubulação que o transporta para o classificador e ensacadeira.

3. Classificação (Ponto Critico de Controle – PCC): O Amido de Mandioca armazenado no silo passa por um sistema classificador, onde os grãos de amido atravessam uma peneira e qualquer sólido de diâmetro maior do que a abertura da peneira ficarão retidos e serão transportados para fora do equipamento em uma corrente separada.

4. Ensaque: O produto classificado é ensacado em ensacadeira. O produto é ensacado em sacaria multifoliada e armazenado em local adequado.

5. Armazenamento do produto final: O armazenamento do produto final pode ser realizado em forma de blocos ou paletizado.

 

MODIFICADO

1. Fécula: O Depósito recebe a fécula e encaminha ao setor de diluição.

2. Diluição: Pode se utilizar de Fécula própria ou Fécula de terceiros, neste último, temos o controle que regula a quantidade e lote que foi diluído para uso. O Amido Leite diluído é enviado ao tanque reator através de uma bomba.

3. Modificar: Modificar é a reação química que acontece dentro dos reatores. Os tanques de reações podem receber Amido Leite da fábrica ou do tanque de diluição e após a reação química no Amido, o mesmo está pronto para a Secagem.

A partir daí, o processo se assemelha ao da Fécula, constituído das etapas de Secagem, Armazenamento em Silo, Classificação, Ensaque e Armazenamento de Produto Final, onde aguarda até o momento do carregamento e envio para o cliente.